segunda-feira, 7 de abril de 2014

Do olhar...

Tão constante, perto, doce e acessível.
Queria tanto que todos conseguissem vê-lo, conhecê-lo e experimentar dessa companhia, desse amor e sentimento.
Imenso...
Impossível descrever tanto amor, tanto perdão e graça.
Amor que não cabe no peito. Incalculável. Paz que excede o entendimento.
Nele, me encontro. Lembro-me de quem sou. Eu mesma. Exageradamente plena e feliz.
Como me conhece... Como me vê. 
Sonda-me e sempre esquadrinha meus pensamentos...
Sublime... Santo... Bom... Incansável.
Vida minha, amor meu...
Que seu olhar nunca se desvie do meu... 
Pois é nele que me oriento e me reoriento a cada dia, que me afirmo, que sigo.
Sou grata por contemplá-lo... 
Tão claro, nítido e real.
Amo-te, Jesus.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Do virar a página...

Ouvimos esta expressão geralmente como um conselho amigo, diante da dor que nos paralisa e que deveria ficar lá no lugar devido, no passado.

Dar mais um passo, ter uma nova perspectiva, inspirar uma nova frase ou fase e ensaiar enredos, formar páginas e compor livros. Porque não?

Difícil é virar a tal página que parece tão pesada e ao mesmo tempo atrativa. Penso ser mais cômodo nos voltarmos para a lamúria, reviver, chorar o que se perdeu e não sair de lá. É mais fácil se apegar com aquela dor e tornar-se vítima do que aconteceu. Sair dali pra quê? Se lá é onde está o nosso coração (em pedaços)?

Reviver o passado, ruminar o saudosismo e olhar fixo para trás, talvez seja menos dispendioso do que o novo. O desafio de levantar, sacudir a poeira das lembranças e ter um olhar diferente para o futuro, depois de dias no quarto escuro e vislumbrar a janela que se abre com um céu azul e ar fresco - pode ofuscar a vista.

Ao mesmo tempo, se omitir das novas possibilidades, limitar-se a olhar somente para o chão e esquecer o futuro, pode ser uma fraude contra a vida, Deus e a própria natureza que se faz nova a cada manhã.
O que passou - seja o fracasso de um projeto, a despedida de um ente querido, o fim de um amor ou a rejeição de outro - simplesmente passou... As vivências, alegrias ou dissabores, perdas ou ganhos, farão parte da nossa história e da memória, mas estão inseridas nas páginas viradas e realmente não devem ditar o futuro.

Porque não se permitir viver outros sonhos, relembrar com carinho os bons momentos dos que se foram e até se conhecer outros amores? O ciclo da vida é dinâmico. Desafia-nos a olhar para frente de uma maneira positiva e sorrir para o amanhã dando um voto de confiança.


Meu desejo é que possamos colocar em prática o conselho amigo e não deixar a roda parar, até porque pode ser o segredo do tempero que, provavelmente, deixará o enredo da nova página irresistível. 

sábado, 23 de março de 2013

Do ciclo


Há algum tempo atrás ouvi falar sobre ciclos. Nossas vidas são construídas de ciclos. Acho que isso é usado em psicologia. Não sei. O pouco conhecimento que tenho sobre esta expressão me faz afirmar que no início desta semana, ela fechou um ciclo.

Uma mistura de alívio com liberdade e missão vencida. Chutou o balde e saiu do emprego que com certeza foi e será o mais difícil de toda sua existência. De certo, contará os causos e feitos destes dois anos e três meses para seus filhos e deles tirará boas risadas e grandes ensinamentos.

Interessante como de todos os últimos ciclos tem saído deles quase outra pessoa. A receita é uma mistura de sofrimento, pressão e crescimento. Lembrando por alto de tudo que ela passou, lembro-me da palavra “resiliência”. Impressionante a capacidade do ser humano de suportar, se adaptar, romper e caminhar dia-a-dia, apesar de tudo.

É o impossível diário. O desafio. O milagre. A quantidade de carga máxima que cada um pode carregar..

Se ela foi feliz neste tempo? Claro, a vida é convivida com todos os pesares. Uma mistura de lágrimas, diversão, calafrios, perdão e muita oração.

É o “Com Ele tudo é possível”.

Que venha o novo ciclo e que seja leve. Afinal, ela precisa escrever mais.  =)

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Espera...

No vislumbre do desejo almeijado
O coração segue um ritmo descompensado
Ora das batidas amargas da dor
- Do fluxo lento e pesado do medo
Ora das batidas da saudade- alegria anunciada
- Fluir do curso da fé equilibrada
Reflete a cor da alma à face corada
Lágrimas de incredulidade jorram da face
No descompasso contínuo e apertado
O anseio da surpresa doce e inesperada:
Realização do alvo tão sonhado.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Do concurso


O sono não vem... Talvez seja o incomodo do torcicolo, ou talvez seja a minha dificuldade de assimilar que consegui passar no primeiro concurso público que prestei. Não há possibilidade de me vangloriar com este feito, dirigindo à minha inteligência ou capacidade a causa para este resultado. Porque vivenciei cada detalhe na dependência total de Deus. Lembro que em cima de uma palavra, um vislumbre de esperança do que passar num concurso poderia gerar no meu cotidiano, eu caminhei. Um dia de cada vez. Muitos de completa exaustão depois de um dia cansativo e cheio de desafios e afrontas. Emocionalmente e fisicamente exausta.

Lembro com clareza das minhas respirações profundas, meu desejo de continuar dormindo e até mesmo desistir, quando orava a Deus no silêncio da minha fraqueza e depois levantava vagarosamente e andava.

Algumas pessoas sabem que estudar para concurso nunca foi uma meta na minha vida. Ao contrário, não me via fixada a um lugar fazendo um trabalho metódico e constante como o de servidor público. Mas de repente, era justo esta porta, que poderia me dar a oportunidade de fazer o que amo, sem roubar todo o meu tempo e minhas forças.
Estudei quatro meses e me esforcei de verdade, dentro dos meus limites, queria fazer minha parte crendo que o Senhor poderia fazer a parte dele. Tive fé para acreditar que poderia acontecer comigo.

Estou meio abobalhada ainda. Não consigo assimilar bem esta benção. É meio constrangedor. Realmente não é fácil receber algo que você não merece.

Penso no futuro e não sei o que me espera, mas é uma expectativa boa, não pelo fato de daqui a pouco ter um emprego estável, que talvez não passe mais por aquela experiência terrível de ficar tantos meses desempregada, mas por essa certeza de que Deus está muito perto, se importando e cuidando tanto de mim. Essa certeza de sentir seu sorriso de Pai orgulhoso, com aquele olhar de quem possui toda a sabedoria e conhecimento em suas mãos e que sempre tá ali torcendo por vc de mãos estendidas para abençoar, seja permitindo experimentarmos as cruezas da vida de forma penosa e dolorida, seja nos mimando com presentes como estes.

Chego a lembrar de um versículo bíblico e da minha aliança com ele. De todas as experiências que tenho vivido, apesar da vista tantas vezes embaçada, a certeza da presença dele, meu consolo. O seu amor realmente não se afasta de mim.

Ele é muito real e a fidelidade Dele é uma promessa e um alento.

Obrigada por esta vitória e que minha vida, meu testemunho e meus atos retratem sempre quem tu és.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Da música

Voltei do feriado toda ligth. Comecei o trabalho organizando a agenda sem pressa, em seguida separei um playlist com boas músicas e parti para os meus textos. No meio da construção de uma citação, um toque e depois uma letra roubou toda a concentração e me tirou um sorriso despretensioso. Continuei tentando escrever, mas me rendi a música e parei para ouvi-la . Uma onda de boas lembranças inundaram meus pensamentos e foi muito bom.
Acho que essa música foi a declaração de amor que mais gostei.
Linda poesia, linda música.


domingo, 4 de novembro de 2012

Feliz!

Esses dias ando muito contemplativa. Ando tão feliz e isto é meio atípico - dado o meu temperamento um tanto melancólico! =)  O fato é: tô muito feliz e realizada. Vislumbro um ciclo fechando e outro se abrindo. E esta nova perspectiva me enche de vida e esperança. É como se voltasse a mim, mas com uma bagagem e uma experiência que unindo os dois até daria uma outra pessoa.
Adoro essa foto! Ela descreve o q sinto agora.
Fico com vontade de descrever cada coisinha legal que sinto, cada alegria, cada bobagem que tira um sorriso meu. É como se antes estivesse com a vista embaçada e agora enxergasse claramente algumas coisas que passavam despercebidas e quase imperceptíveis.
Obrigada Deus. Te amo. Sempre.